quarta-feira, 9 de março de 2011

Carência Afetiva

Carência afetiva
Você coloca todas suas perspectivas de vida em relacionamentos amorosos?
Existem pessoas que ao longo da vida acabam se envolvendo com os mais variados tipos de pessoas, simplesmente porque não conseguem viver sozinhas. O que não imaginam é que, geralmente, esses relacionamentos baseados na carência excessiva de uma das partes podem ser extremamente destrutivos. Segundo a psicóloga Kátia Beal, especialista em relacionamentos amorosos, pessoas carentes têm uma visão distorcida do amor.

“Alguém que se envolve só para não ficar sozinho é aquele
que tem baixa auto-estima, ou seja, não acredita no próprio valor, não gosta de si mesmo, se acha sem atrativos e incapaz de ser desejado ou amado por alguém. Por essa razão, acaba cedendo às investidas de outras pessoas, muitas vezes sem sentir nenhuma atração, e acabam ficando com quem lhe deu um pouco de atenção, muitas vezes nem importando com seus atributos internos e externos”, explica.
Idealizar os relacionamentos, colocar o outro em um pedestal, se envolver com qualquer tipo de pessoa, na maioria das vezes, acreditando que pode mudar o outro, podem ser atitudes que denunciam uma tentativa de fuga para encarar os próprios problemas, preocupando-se somente com o outro. “Algumas teorias da psicologia ainda acreditam que pessoas carentes não conseguem, mesmo que inconscientemente, diferenciar amor, dor e sofrimento”, orienta Kátia Beal.Amor que sufoca

Inicialmente, os homens podem até gostar de mulheres carentes, devido aos cuidados e dedicação total que recebem, mas, depois de um tempo, passam a querer que ela tenha vida própria, pois, por carência, a pessoa acaba sugando toda a energia do outro, exigindo atenção constante e cobrando demais do relacionamento.
“Elas acreditam que quanto mais amarem e se doarem, mais serão amadas. Só que não é bem assim que funciona. Quando a pessoa esquece de cuidar de si própria, abre espaço para a rejeição e para a não valorização. Pessoas rejeitadas começam a amar mais ainda, pois não admitem ‘perder’ o amor do outro, e começam a traçar novas estratégias para se sentirem amadas, por medo do abandono”, aponta.

Ligar demais, mandar mensagens, enviar mimos, se fazer presente o tempo todo, pode ser irritante e até mesmo insuportável. Na busca pelo amor do outro, a dedicação pode ser tão grande que pressiona e inibe os sentimentos, na medida em que gera muitas expectativas e uma pressão desnecessária. Kátia Beal ressalta que, apesar de fazerem de tudo para assegurar o relacionamento, essas pessoas, normalmente, não encontram satisfação no que recebem, pois tendem a sufocar o parceiro e, por medo de serem abandonadas, tentam fazer até o impossível para ter o outro sempre por perto.

“O indivíduo carente se anula, coloca o relacionamento como única prioridade, é inseguro, dependente, controlador e possessivo. Relacionamentos assim podem ser destrutivos, pois não há uma verdadeira troca afetiva, há sempre um sufocando o outro, se sentindo cobrado e tendo que estar presente a todo instante. Não podemos deixar de citar os indivíduos que mantém um relacionamento estável com uma pessoa e que, muitas vezes, acabam se envolvendo com outras por não encontrar carinho, afeto e atenção”, observa.
Busque o autoconhecimento
Certamente, nenhum ser humano nasceu para viver sozinho, entretanto, para evitar que o relacionamento se torne destrutivo, o ideal é buscar uma certa independência, ter autonomia sobre sua vida para fazer suas próprias escolhas. Desta forma, a pessoa terá capacidade de escolher relações em que possa ter trocas mais maduras, com pessoas dispostas e prontas para dar e receber, para que ambos ganhem com a relação.

“É necessário e imprescindível que ambos tenham amizades, dediquem-se aos estudos ou a um trabalho no qual sintam prazer e realização, cuidem do corpo e da mente, busquem o autoconhecimento e convivam com outros casais para compreender a dinâmica das outras relações e se espelhar também nelas, pois aprendemos muito com essa troca de experiências. Tudo visando não viver somente em função do relacionamento amoroso”, orienta Beal.
A psicóloga alerta que a carência afetiva, hoje, pode ser considerada como um distúrbio de comportamento que afeta um número considerável de pessoas, tanto homens quanto mulheres. Ela explica que essas pessoas sentem e agem dessa maneira, muito provavelmente, por terem vivenciado experiências emocionais que não foram atendidas, tanto na infância, quanto em relacionamentos anteriores.
“Não podemos buscar no outro aquilo que não conseguimos encontrar em nós mesmos, ou seja, devemos buscar dentro de nós o que nos falta. Uma boa forma de se descobrir e se aceitar melhor é a psicoterapia, onde a pessoa passa a se conhecer melhor e a lidar melhor com os sentimentos, propiciando vivenciar relações mais satisfatórias e prazerosas, que agreguem bons sentimentos e bem estar”, aconselha. Disse Jesus... Eu vim
para que tenham vida, e a tenham em abundância.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário